Home / OPINIÃO / Nove erros de gestão que uma PME pode evitar
descontração voltar ao escritório ideias de gestão planeamento exec talks trabalha em casa 2020 erros de gestão gerir uma pme felicidade melhorar o foco negócios de software gestão para pme produtividade das empresas transformação digital ricardo parreira software de gestão pme magazine
Ricardo Parreira, CEO da PHC (Foto: Divulgação)

Nove erros de gestão que uma PME pode evitar

Por: Ricardo Parreira, CEO da PHC

Num mundo em permanente mudança, onde o cliente está cada vez mais informado, com maior leque de escolha e onde exige tudo no momento e adaptado à sua necessidade, a gestão das empresas sofre uma pressão cada vez maior para se adaptar a um ritmo não antes visto na história da humanidade.

Acredito que, neste ecossistema em constante evolução, é imperativo que os gestores resistam ao que apelido de “lado negro da gestão”, ou seja, a cometer os erros que podem impedir uma estratégia empresarial de vir a ser bem-sucedida. E nesta era digital a resistência a esses erros é fulcral, porque vivemos numa era em que sobreviver é crescer e em que as empresas não podem abrandar, muito menos parar.

Mas que erros são estes que podem destruir uma empresa? São nove erros que tenho identificado e que, apesar de nem sempre ser possível evitá-los por completo, ter a consciência de que existem é meio caminho para os evitar ou atenuar o seu efeito negativo.

São estes os nove erros de gestão que uma PME pode evitar:

  1. Falta de foco – quem me conhece sabe que este ponto não é uma novidade. Acredito que um gestor deve focar-se no que realmente é importante, ter tempo para pensar e bloquear as distrações que o impedem de concentrar a sua energia na resolução dos desafios cruciais para o negócio. Criar condições para que o foco seja uma prioridade nas empresas deve estar no topo da lista de qualquer gestor;
  2. Excesso de reuniões – Quem trabalha numa empresa estará certamente familiarizado com este grave problema de produtividade, em que se marcam reuniões por todos os motivos, alguns destes momentos não começam nem acabam a horas, ou nalguns casos nem sequer existe uma agenda de assuntos a tratar. O nosso tempo é tão escasso que uma empresa de sucesso precisa de ter disciplina na forma como aborda as reuniões. Um exemplo excelente disso é o que vi na minha recente visita aos Estados Unidos, onde testemunhei o exemplo precioso da Google, com reuniões no máximo de 30 minutos, onde o tempo é rentabilizado ao máximo;
  3. Falta de KPI adequados – Sou um defensor da máxima de gestão em que só gerimos o que conseguimos medir e é por isso que na PHC todos os colaboradores têm um dashboard de objetivos individuais, que servem de orientação para o seu trabalho. No entanto, ter um sistema de KPI por si não é uma solução. Na era da big data, a tentação de medir tudo ou medir o que não interessa pode ser ainda pior do que não ter indicadores de desempenho. Saber o que realmente interessa medir é cada vez mais fulcral para sermos bem-sucedidos nesta nova era de gestão.
  4. Não valorizar as pequenas interações – Dar apenas atenção ao que pensamos que tem maior peso no negócio, trazendo para segundo plano o que nos parece mais pequeno, é um outro erro comum. Um cliente julgará a empresa sempre pela pior experiência que teve, seja na compra, na utilização ou no atendimento do suporte ao cliente. Todos os pontos de contacto contam para a customer experience e devem ser tratados;
  5. Deixar que o ego cegue – O aviso de Jeff Bezos, “um dia a Amazon vai acabar”, é o paradigma de alerta: evitar que uma empresa se apaixone por ela mesma, descurando a necessidade de continuar a melhorar constantemente. A facilidade com que pode acontecer é assustadora e o perigo é iminente, especialmente se estivermos num ambiente em que a necessidade de agradar ao líder é grande e onde dificilmente se diz o que realmente se pensa. Tudo isto cria o perigo de sermos cegados pelo nosso ego. Desde as startup até aos gigantes mundiais, um gestor tem a obrigação moral de estar atento a este fenómeno;
  6. Fazer as mesmas coisas e esperar resultados diferentes – Não será demais referenciar o paradigma da insanidade, formulado por Albert Einstein, já que perdi a conta das vezes que vi isto acontecer ao longo dos anos. Muitas vezes espera-se que as vendas subam, que a rentabilidade aumente ou que os erros diminuam, sem que nada de substancial se faça para tal acontecer;
  7. Não cuidar da felicidade dos colaboradores – As pessoas devem estar em primeiro lugar e este é um aspeto ao qual dou muita importância. Mas do ponto de vista da rentabilidade da empresa é também um ponto fulcral, já que numa era em que a competição pelo talento é tão grande, só as empresas que são diferenciadoras no local de trabalho conseguem atrair os melhores colaboradores e manter os mais altos níveis de motivação e rendimento;
  8. Resistência à mudança – Darwin estava certo e são os que se adaptam mais rapidamente que sobrevivem, não são os maiores nem os mais fortes. E um gestor deve ter em mente que a sua capacidade de adaptação é uma questão de sobrevivência do seu negócio e uma das suas maiores vantagens competitivas. Dotar a sua empresa de ferramentas que lhe permitam uma adaptação mais rápida é crucial para o sucesso;
  9. Falta de um sistema nervoso digital – Por fim, a tecnologia, sem a qual nenhum negócio consegue hoje em dia ser bem-sucedido. Costumo dizer que every business is a software business, não porque todos os negócios vão ser produtores de programas informáticos, mas porque o seu sucesso depende diretamente da sua adoção. Hoje, ter um software que integre toda a gestão da empresa é uma vantagem competitiva que não pode ser ignorada e que ajuda a evitar os restantes oito erros referidos neste texto.

A gestão está a mudar, requer atenção e precisa que se evitem os erros que impedem o progresso e o crescimento das empresas. Neste artigo enumerei os nove que penso serem cruciais. Há outros, mas se começarmos por aqui tenho a certeza que teremos empresas mais produtivas e preparadas para os desafios do futuro.