Home / OPINIÃO / Cuidado com os ovos
vicente jorge silva foguetes teletrabalho pandemia com abrigo meritocracia arder dona branca fatura artur salada ferreira sem abrigo pme magazine ovos estudar nos anos 40
Artur Salada Ferreira, administrador do Lisboa Biz (Foto: Inês Antunes)

Cuidado com os ovos

Por: Artur Salada Ferreira, administrador do centro de negócios Lisboa Biz

 

A primeira regra que sempre me ocorre quando tomo uma decisão relevante sobre os meus ativos ou investimentos é a seguinte: “Não Colocar os ovos todos no mesmo cesto”.

 

Mesmo que nos pareça a melhor opção, e até o seja no momento, nunca se devem usar as fichas todas na mesma jogada nem os ovos todos no mesmo cesto.

Se colocar os ovos em vários cestos o risco está partilhado. Isto é, pode uma parte do património ser afetado/desvalorizado, mas será sempre parcialmente.

Pessoalmente, estabeleço o peso que cada tipo de património pode ter no total dos meus ativos, com intervalos que tomam em consideração as alterações das economias e dos mercados a cada momento.

Por exemplo: os meus ativos não devem conter mais de 15% em ações e ter um mínimo de 10%.

Mesmo que se afigure estar na presença do melhor investimento de momento, e o até seja, deve resistir à tentação de colocar os ovos todos no mesmo cesto.

Basta lembrar o que aconteceu recentemente com a banca para perceber que os ‘donos disto tudo’ mudam, mas o tudo nunca é aconselhável, porque gera uma total dependência de alguém ou de alguma coisa.

Claro que também não deve distribuir o seu património por mais cestos do que pode agarrar ao mesmo tempo. Isto é, repartir excessivamente os ativos pode não ser recomendável.

Existe sempre o bom senso.