Home / OPINIÃO / Mudança de mentalidade: fazer a escolha certa
Mudança comportamental PME Magazine
Pedro Abecassis é diretor comercial na empresa 5P's

Mudança de mentalidade: fazer a escolha certa

Por: Pedro Abecassis, 5 P’s

Se é verdade que o universo está em constante mudança há muitos milhões de anos, ainda é mais verdade que essa mudança é cada vez mais rápida e que as organizações e os seus líderes nem sempre conseguem adaptar-se facilmente a essas alterações. A pandemia que vivemos é, acima de tudo, um teste à flexibilidade social, económica e, naturalmente, empresarial perante mudanças impostas pelo desconhecido.

Num mundo globalizado como o de hoje, as empresas têm de olhar para o mercado global e não para o mercado local. É fundamental procurar novos canais de negócio, cada vez mais digitais e procurar satisfazer as necessidades e vontades dos seus clientes, que exigem uma resposta rápida, simples e eficaz.

Um dos fatores críticos para o sucesso nesta nova conjuntura, é a aposta que os empresários têm de realizar nos seus colaboradores, de forma a prepararem os seus recursos para os desafios diários que se apresentam, e influenciar na adoção de atitudes proactivas na procura de melhores resultados. Para que isso aconteça, a formação comportamental tem de passar a ser vista como um investimento e não como um custo necessário. Embora o turnover seja cada vez maior, é necessário desenvolver ferramentas de soft skills em áreas comportamentais, tais como vendas, liderança, comunicação, eficácia pessoal, entre outras, para que os colaboradores se tornem mais flexíveis e consigam adaptar-se facilmente às mudanças que os dias de hoje nos obrigam.

Num país em que a maioria das empresas são prestadores de serviços, e numa economia muito alavancada pelo turismo, para além da formação, é necessário acompanhar as equipas e dar feedback construtivo. Reforçar o que está a ser bem realizado, reconhecer e agradecer o esforço e corrigir os aspetos menos positivos que têm de ser melhorados.

É também muito relevante criar momentos lúdicos online em equipa para motivar os colaboradores (happy hours, quizes, jogos). Pessoas motivadas tendem a atingir resultados. E o atingir de resultados motiva as pessoas (não é assim que lidamos também com a nossa vida mais pessoal?). Já o contrário também se aplica. Pessoas desmotivadas não tendem a atingir resultados, e o não atingir de resultados desmotiva as pessoas. Este efeito de espiral positiva ou negativa é crítico no crescimento das organizações, e é um fator crítico para o sucesso.

Acredito que quando uma pessoa pára para refletir e percebe que a empresa e os seus líderes estão a fazer um investimento em si, tem uma predisposição diferente para aceitar os desafios que lhe são apresentados e adota uma atitude mais proativa, ajudando a criar resultado e atingir melhores resultados. É fácil?… Só depende da nossa escolha!