Home / OPINIÃO / “Olhe que não, olhe que não”
vicente jorge silva foguetes teletrabalho pandemia com abrigo meritocracia arder dona branca fatura artur salada ferreira sem abrigo pme magazine ovos estudar nos anos 40
Artur Salada Ferreira, administrador do Lisboa Biz (Foto: Inês Antunes)

“Olhe que não, olhe que não”

Por: Artur Salada Ferreira, administrador do Lisboa Biz

Seis de novembro de 1975. No momento em que escrevo este texto vêm-me à memória muitos factos que me estimulam a dar o meu testemunho.

É o fim do Processo Revolucionário em Curso (PREC) e o início da reposição dos verdadeiros ideais do 25 de Abril.

O país parecia tomado pelo Partido Comunista Português (PCP) que tentava controlar o poder em Portugal.

Tendo o apoio de uma larga fatia de elementos do MFA (Movimento das Forças Armadas) e, como partido organizado na clandestinidade, tomou de assalto muitas autarquias. Acresce que o primeiro-ministro, Vasco Gonçalves, era também afeto ao PCP.

Findo este período revolucionário, é resposto o caminho para a democracia. Os resultados das primeiras eleições vieram confirmar este facto, dando a larguíssima maioria dos votos dos eleitores ao Partido Socialista (PS) e ao Partido Social Democrata (PSD).

No decorrer do PREC, começou a ser notório que o objetivo do PC passava pelo controlo do Estado, a partir de 11 de março de 1975, com a nacionalização de praticamente toda a economia, sendo o PCP o mentor e motor dessa decisão, “mais ou menos” popular.

É neste contexto de pré-guerra civil que se realiza o debate do PREC, entre Mário Soares e Álvaro Cunhal.

Os líderes do PPD/ PSD – Francisco Sá Carneiro – e do Partido Popular (CDS-PP) – Diogo Freitas do Amaral – eram considerados de “direita” e não foram convidados para este (e muitos outros) momentos de debate.

Durante três horas e quarenta minutos, Mário Soares pôs em evidência a estratégia das “mais amplas liberdades” de Cunhal, que tinha dado uma entrevista a uma jornalista e escritora italiana, Oriana Fallaci, onde assumiu que a democracia ocidental não tinha lugar em Portugal, o que servia para dar força às interrogações de Mário Soares, que passaram a ser afirmações.

Sem argumentos para o desmentir, Cunhal responde então com a célebre frase: “Olhe que não, olhe que não…”.

Até hoje, o PCP não se coíbe de apoiar os amigos, como a união soviética “Sol do mundo” na boca de Álvaro Cunhal, e elogiar a Coreia do Norte e Cuba.

Acresce referir o seu antieuropeísmo que se mantém até hoje.

Não se entende a defesa que o PS continua a fazer do PCP, dizendo tratar-se de um partido democrático e defensor da liberdade e já não das “mais amplas liberdades”, que Cunhal defendia sem precisar o que tal significava. O modelo que pretendia implementar, caso tomasse o poder no 25 de Novembro, não veio a acontecer graças ao Grupo dos Nove, à liderança militar do general Ramalho Eanes e à execução do major Jaime Neves.

A 25 de novembro, o “Grupo dos Nove” foi liderado por Melo Antunes, que veio a público defender o PCP, grande perdedor do 25 de Novembro e que durante o PREC se achava “dono do país”.

Melo Antunes apelou à democracia dos vencedores. Nesse mesmo dia, após a vitória do “Grupo dos Nove”, Antunes fez um apelo à população no sentido de evitar a ilegalização do PCP e de um possível ajuste de contas.

Não posso deixar de referir o 11 de Março de 1975 em que os elementos do MFA, afetos ao PCP, simularam um ataque da “direita” levando o General Spínola a cair numa armadilha e fugir.

Estavam o pretexto e o caminho abertos para o PCP realizar o seu grande objetivo: nacionalizar toda a economia.

Cerca de uma década com a banca nacionalizada, com trabalhadores ao ritmo de funcionários públicos, contribuiu muito para o atraso de Portugal que ainda hoje se verifica.

Quem viveu este período do 25 de Abril de 1974 a 25 de Novembro de 1975, lembrando pelo meio o 28 de Setembro e o 11 de Março de 1975, tem dificuldade em ouvir o PS a defender o PCP, como fundador e defensor da democracia, tal como a vivemos hoje.

É indiscutível o contributo do PCP para o enfraquecimento do Salazarismo, apesar do objetivo de servir a União Soviética. E isso é também evidente na descolonização, onde o PCP conseguiu colocar camaradas militares que defendiam os seus princípios, entregues à União Soviética.

Todos temos direito a errar se estivermos dispostos a mudar e aceitar o erro.

Acontece que o PCP se apresenta na Assembleia como defensor da democracia, mas quando tem oportunidade identifica-se com Cuba e com a Coreia do Norte.

É ridículo assistir à condenação do PSD por aceitar o apoio do Chega, ao governo dos Açores e ao mesmo tempo implorar ao PCP que vote favoravelmente no orçamento do governo do PS.

É evidente que não me revejo no Chega, mas também não me revejo no PCP, sendo que este já fez muito contra a democracia e o Chega, por enquanto, é só discurso, por vezes xenófobo, mas algumas vezes dizendo aquilo que os outros não têm coragem de dizer, por complexo de esquerda.

O complexo de esquerda tem sido notório mesmo nesta fase de pandemia em que a ministra da Saúde só recorre ao setor privado em desespero de causa, quando, na minha opinião, deveria incorporá-lo num sistema nacional de saúde.

Há dias, chamei uma ambulância para transportar uma pessoa que estava com sintomas de problemas cardíacos e solicitei que o transportassem para a CUF Descobertas. Foi-me respondido que apenas podiam transportar para um hospital público.

Um seguro de saúde não vale de nada nestas circunstâncias. Parece haver um castigo para quem não usa o S.N.S.

Por quê este exemplo? Já todos percebemos que sem os seguros de saúde, o S.N.S entrava em colapso total.

Devo aqui declarar o meu apreço pelo S.N.S, ao qual recorro por opção, apesar de ter um seguro de saúde.

Será que vamos continuar com o complexo de esquerda na hora de tomar as decisões importantes para o país?

“Olhe que não, olhe que não…”