Home / Internacional / 2020: mais insolvências do que antes da crise financeira
Metade dos países vão registar mais insolvências | Foto: Distribuição

2020: mais insolvências do que antes da crise financeira

Em 2020, quatro em cada cinco países vão assistir a um crescimento do número de insolvências, e um em cada dois terão mais empresas em dificuldades do que no período anterior à crise financeira de 2008 – Portugal não é exceção, mas terá uma performance menos negativa do que a média, estima a Euler Hermes, líder mundial em seguro de créditos e acionista da COSEC – Companhia de Seguro de Créditos

De acordo com o estudo Global Insolvency Outlook 2020, as insolvências vão aumentar, em média, +6% a nível global durante 2020, crescendo pelo quarto ano consecutivo, embora ao ritmo mais lento desde 2016.

“O que estes dados tornam evidente é a necessidade cada vez maior de as empresas serem proativas e seletivas na escolha dos seus parceiros de negócio, no país em que operam e nos mercados para os quais exportam. Devem, portanto, encontrar soluções que mitiguem o Risco de Crédito dos seus clientes como é o caso dos seguros de crédito”, afirma Maria Celeste Hagatong, presidente do conselho de administração da COSEC.

Portugal vai registar mais de 2500 insolvências

A América Latina (+13%, apesar de uma redução de -3% no Brasil) e a Ásia (+8%) terão um peso determinante nesta tendência mundial, nomeadamente devido ao Chile (+21%), à China (+10%) e à Índia (+11%).

Na Europa Ocidental, onde o crescimento económico vai manter-se abaixo do valor que, por regra, estabiliza o número de insolvências (+1,7%), a maioria dos países vão registar uma subida do número de empresas em dificuldades, mas muito mais moderada – em média, de +3%. França (0%), Portugal (+2%), Alemanha e Reino Unido (+3%), Itália (+4%) e Espanha (+5%) estão entre os países cujo crescimento do número de insolvências se estima que fique abaixo da média.

No caso de Portugal, a Euler Hermes aponta para que se registem 2 590 insolvências, face às 2 540 verificadas em 2019.