Home / Empresas / Covid-19: António Costa visitou Curry Cabral; há 2995 casos positivos em Portugal
António Costa - Primeiro Ministro de Portugal visita Hospital Curry Cabral

Covid-19: António Costa visitou Curry Cabral; há 2995 casos positivos em Portugal

Por: Mariana Barros Cardoso

O primeiro-ministro de Portugal visita hoje o Hospital Curry Cabral para agradecer presencialmente todos os esforços dos profissionais de saúde bem como para se “inteirar de quais são os desafios e avaliar a situação concreta do país“, avança António Costa.

O país regista hoje um total de 2995 casos confirmados com Covid-19, mais 633 do que no dia anterior e António Costa reforça que o Curry Cabral, hospital que acolhe os utentes desde o surto do novo coranavírus em Portugal, poderá ser um centro unicamente para o tratamento de Covid-19 de forma a “centralizar os doentes de covid-19 e também os doentes com outras patologias que tenham também covid-19“, afirma o primeiro ministro em declaração aos jornalistas após a sua visita à unidade hospitalar.

Mapa atualizado pela DGS em Portugal

Portugal conta um total de 43 óbitos resultantes do surto do novo coronavírus, 22 casos recuperados, 1591 à espera de resultado laboratorial e ainda 13624 sob vigilância.

António Costa reforça a importância da obediência e pede que “mantenhamos todos o estado de emergência, o isolamento social e a enorme disciplina que temos tido e que temos que ter cada vez mais para evitar a expansão desta pandemia. Esta é a chave disto tudo“, citando a conversa com os médicos e responsáveis de saúde durante a sua visita ao Curry Cabral.

Ainda sobre o pedido de correção de ontem da DGS sobre o número de óbitos, é de reforçar que um autarca tem primeiro o conhecimento dos óbitos ocorridos numa autarquia do que a “central de informação”.

Todos os dias à 00h os profissionais de saúde responsáveis atualizam os números numa plataforma nacional para que se possa acompanhar a evolução e as necessidades para colmatar esta crise.

O primeiro-ministro reforça ainda junto dos jornalistas que “o tempo agora não é para criar polémicas, é para encontrar soluções” .