Home / OPINIÃO / Boas práticas para vencer a crise do setor empresarial
fundo de reserva setor empresarial dicas financeiras poupar dinheiro com a banca impacto do teletrabalho teletrabalho atrasos nos empréstimos carina meireles imobiliário
Carina Meireles, consultora financeira (Foto: Divulgação)

Boas práticas para vencer a crise do setor empresarial

Por: Carina Meireles, consultora financeira

Nos dias que correm, é muito importante as empresas adotarem boas práticas, para se poderem posicionar num mercado cada vez mais abalado por esta crise, também ela económica e financeira.

Estamos a viver tempos de contenção financeira, onde muitas empresas ainda continuam com expectativas de como se irá comportar o mercado, nos mais diversos setores de atividade no país, estando muitas delas a adiar investimentos.

Com o teletrabalho ainda presente em muitas empresas, torna-se imperativo olhar para esta forma de trabalhar como alternativa à poupança de custos para uma empresa.

Elaborar um planeamento para identificar formas de atuação no mercado atualmente é algo que deve estar em cima da mesa como prioritário.

Deve colocar a sua estratégia com foco no que tem e para onde quer ir, para desta forma se organizar e tentar levar a sua empresa a bom porto.

Comece por identificar as causas que estão inerentes a esta pandemia. Falta de liquidez? Falta de clientes? A banca não empresta dinheiro? Dificuldade de manter ou aumentar o prazo de pagamento dos fornecedores? Falta de recursos para atender aos compromissos financeiros?

Só desta forma é que se consegue iniciar todo um processo de alavancagem do seu negócio. Primeiro e como na nossa vida pessoal, quando não estamos bem, é preciso fazer todo um diagnóstico financeiro, que poderá passar também pela análise atual das condições que tem a nível pessoal e empresarial com a banca, para tentar ao máximo economizar dinheiro e potenciar o investimento.

Sabe exatamente para onde vai todo o dinheiro que gasta ao final do mês com a sua empresa? Se não sabe este é um passo muito importante a fazer! Quando? Já!

Depois da análise feita e sabendo exatamente onde gasta o dinheiro da sua empresa, vai perceber se está a gastar mais do que deve ou o se está a gastar mal gasto, ou a faturar pouco e que estratégias precisa de adotar para mudar esta situação.

Também não menos importante é a avaliação das alternativas para ser possível lidar com esta crise financeira. Estas dependem muito e variam conforme o problema encontrado e com a atividade da empresa porque a solução não será a mesma para todos os ramos de atividade empresarial deste país.

Existem, no entanto, algumas medidas que poderão, caso sejam implementadas, ajudar os pequenos negócios, como sendo:

Diversificar os produtos e serviços de que dispõe;

Expandir o seu negócio em regiões e até mesmo para fora do nosso país;

– Ter um fundo maneio de reserva correspondente a pelo menos oito a 12 meses, do qual uma parte pode servir para investimentos.

Agora é tempo de olhar para as finanças da sua empresa como se da sua casa se tratasse, onde devem estar sempre bem geridas e organizadas.

Uma das coisas mais importantes a fazer para uma adequada gestão financeira é visualizar se o plano de negócios que traçou está a ser seguido, caso não esteja entenda o porquê e avalie todas as opções.

O seu plano de marketing está a ser direcionado para o seu público alvo? Adeque as condições de venda e compra para a sua área de negócio à realidade atual do mercado. Precisa de parcerias? Comece agora!

Deve também ter em consideração e atenção que deve ter sempre um plano B, e esse mesmo plano passa por ter bem presente e controlado tudo o que implica gastar dinheiro com a sua empresa. E não se esqueça que é importante estruturar um plano de recuperação e ir monitorizando o mesmo, para que ao primeiro sinal favorável não o abandone.

Mesmo para recuperar de forma eficiente, deve manter o controlo financeiro e o foco e não deixar de acompanhar assim que veja que tudo já se está a orientar na direção certa. O objetivo não é voltar um dia ao que esteve, mas sim estar sempre o mais bem preparado possível para uma eventualidade que possa abalar o negócio.