Home / MERCADO / Economia / Previsões de crescimento económico em 2021 rondam os 1,7% e os 6,5%
crescimento PIB português para 2021
OCDE e Conselho de Finanças Públicas são os mais pessimistas (Foto: Pixabay)

Previsões de crescimento económico em 2021 rondam os 1,7% e os 6,5%

Tanto o Governo português como a Comissão Europeia preveem um crescimento do PIB na ordem dos 5,4% para 2021. Dívida pública deverá atingir os 130,9% no próximo ano.

As estimativas apresentadas pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) são as mais contrastantes, ao divulgarem um crescimento da economia na ordem dos 1,7% ou dos 6,5%, respetivamente.

No caso do Banco de Portugal, a previsão de aumento do PIB é de 3,9% para 2021, com esperança de alcançar os 4,5% em 2022 e os 2,4% em 2023. Para o Conselho de Finanças Públicas (CFP), é esperado um crescimento de 4,8%.

Até ao final de 2020, o FMI espera uma recessão da economia portuguesa de cerca de 10%, a Comissão Europeia e o CFP apontam para os 9,3% e o Governo para 8,5%. Já a OCDE prevê uma queda de 8,4% e o Banco de Portugal de 8,1%.

Segundo os dados do relatório do Orçamento de Estado para 2021, “prevê-se um aumento do consumo privado em 3,9%, após uma redução esperada de 7,1% em 2020”. O documento prevê ainda “uma gradual melhoria no mercado de trabalho, levando a um ligeiro aumento no rendimento disponível das famílias e a uma redução da taxa de poupança” e “um crescimento do consumo público de 2,4% em 2021 (-0,3% em 2020)”.

Relativamente aos valores da dívida, as estimativas do Governo para 2021 são de 130,9%, valor ligeiramente mais baixo face aos 134,8% previstos para 2020, mas próximo da previsão do FMI (130,0%) e da Comissão Europeia (130,3%). O CFP e a OCDE são os mais pessimistas, com as conjeturas a apontarem para os 134,5% e os 139,7%, respetivamente.

É ainda esperado pela OCDE que Portugal atinja um défice de 6,3% em 2021, ao passo que a Comissão Europeia aponta para os 4,5%, o Governo para os 4,3%, o CFP para 3,2% e o FMI para 2,7%.