Home / OPINIÃO / Negócios que se reinventam: o futuro chegou mais cedo
Altice ajuda empresas na transição digital
Nuno Nunes, chief sales officer B2B da Altice Portugal

Negócios que se reinventam: o futuro chegou mais cedo

Por: Nuno Nunes, chief sales officer B2B da Altice Portugal 

Foto: Altice Portugal 

Passados os primeiros meses desde o início da pandemia em Portugal, é agora possível começar a avaliar-se a reação das organizações e empresas, sendo consensual que, pelas piores razões, o país deu um salto tecnológico na sua transformação digital. As tecnologias de informação e comunicação apoiaram a implementação de algumas das medidas de exceção da crise pandémica e tudo aponta para que possam continuar a ajudar o tecido empresarial numa fase de retoma e de recuperação económica. 

A primeira fase da pandemia, centrada no confinamento, fez com que, de uma expressão diminuta em Portugal, o teletrabalho passasse a ser a norma. O uso acrescido das redes, as reuniões de trabalho suportadas em ferramentas de colaboração, videoconferência e mecanismos de partilha de documentos, o crescimento dos serviços de acesso remoto às redes das empresas (vulgo VPN) e a corrida a equipamentos portáteis – PC, tablets, routers – são as melhores evidências de que um posto de trabalho tecnologicamente apetrechado é um seguro para a produtividade do negócio. 

“Pelas piores razões, o país deu um salto tecnológico na sua transformação digital”

Muitos negócios foram, também nesta fase inicial, obrigados a fechar as suas portas, sem alternativa a que recorrer. No entanto, a Altice Empresas pode hoje dar resposta às empresas que procuram recuperar clientes e escoar produtos, com uma solução de canais digitais completa, com website e loja online que permitem as transações comerciais, garantindo desde os pagamentos eletrónicos à entrega dos produtos em casa. Há empresas para as quais os canais digitais foram uma das poucas boas notícias e a esperança de retoma de vendas. 

As alterações que os negócios foram obrigados a implementar e o constante ajuste e modificações necessários – condições de serviço, novos horários – tornam a divulgação de informação atualizada a clientes ou colaboradores, um fator crítico num tempo como é o de hoje. As soluções de messaging mais sofisticadas permitem a distribuição massiva de SMS com links para informação detalhada, e as soluções de call center e atendimento excecional são hoje procuradas pelas PME.

Em tempos de incerteza e adaptação, onde práticas digitais de interação são exponenciadas, seja no teletrabalho ou na compra online, a exposição e vulnerabilidade dos colaboradores é maior. As empresas já por si num momento de transição, e com a atenção focada em decisões urgentes, não podem subestimar a possibilidade de um ciberataque à sua operação, hoje tão comum e tendo como alvo PME.  

A nova fase de retoma de atividade terá para as empresas o seu sucesso dependente da preparação e da confiança que os seus negócios possam transmitir. A Altice Empresas disponibiliza soluções para que a abertura dos espaços comerciais de atendimento ou mesmo das entradas em espaços de trabalho possam oferecer garantias e segurança, com opções que podem ser câmaras termográficas para monitorização à distância, ou o controlo de entradas com reconhecimento automático do uso de máscara, onde esse seja um requisito laboral. Os clientes vão preferir os estabelecimentos comerciais mais seguros e estarão dispostos a alterar os seus hábitos, pelo que soluções onde o smartphone substitui o dispensador de senhas e o cliente pode reservar e esperar à distância estão a despertar interesse em clientes.

“Há empresas para as quais os canais digitais foram uma das poucas boas notícias e a esperança de retoma de vendas”

Exigir-se-á um esforço de implementação de novos requisitos legais e procedimentos operacionais, pelo que a necessidade de formação será intensa nesta fase. Os conteúdos formativos, desenhados para um modelo de formação à distância, em plataformas muito testadas, são soluções a considerar, que aliviam recursos da empresa para outro tipo de preocupações.  

Para as empresas no ramo da educação – colégios, academias ou ATL – a um ano escolar atípico, onde se ensaiam novos hábitos e ferramentas, suceder-se-á a rentrée como novo desafio, face à incerteza no desenrolar das fases da pandemia. Com parceiros com soluções reconhecidas, seja na área de conteúdos editoriais e pedagógicos, seja nos equipamentos educativos, alavancar-se-á o atual sucesso no apoio a inúmeras escolas do ensino público, com soluções de educação remota para as empresas do setor educativo.

Na área da saúde e bem-estar, uma vez ultrapassada a atual prova de fogo do sistema, a expectativa é de uma agenda nacional, que faça com que agentes de saúde sejam chamados ao desenvolvimento de um modelo de saúde. Fruto da inovação própria nesta área, a Altice Empresas tem disponíveis para as empresas serviços eHealth de monitorização remota de sinais vitais e de suporte diário, soluções de telemedicina/telediagnóstico, até propostas mais expeditas com smartwatch e portal web de monitorização de bem-estar/biométrico.

No horizonte temporal de recuperação económica e futuras mudanças estruturais, a incerteza na procura será elevada e a institucionalização de práticas agora provadas será previsível. Os modelos de prestação de serviço cloud têm a flexibilidade e escalabilidade para disponibilizarem recursos anytime, anywhere, propícios aos modelos de trabalho, interação e transação remotos. O consenso ganho quanto à manutenção dos níveis de produtividade neste novo registo operacional antecipa o despertar de uma empresa mais resiliente, com uma gestão aberta à racionalização de espaços físicos via teletrabalho, ou à externalização de serviços não core via BPO.

A um tempo de disrupção correspondeu uma transição acelerada e considerável de transformação digital das PME. Num tempo de retoma da atividade, cabe reinventar os negócios e, numa fase de consolidação, reimaginar e mudar o mundo, potenciando os novos hábitos adquiridos e as possibilidades que a tecnologia constantemente trará a tempos incertos.

Artigo originalmente publicado na edição de Julho de 2020